TwitterFacebookYoutubeInstagram

print Congresso Gestão AmbientalUm artigo produzido por dois professores da rede estadual foi apresentado no XI Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, realizado de forma on-line entre os dias 23 e 26 de novembro. A pesquisa contou com a participação de 69 estudantes da Escola de Educação Básica Romildo Czepanhik, em Xanxerê, e pode ser acessada na íntegra neste link.

Intitulada “Olhar ambiental e as fontes de energias: sensibilização para as energias renováveis em uma escola do oeste de Santa Catarina”, a pesquisa teve a participação de duas turmas de 8º e 9º ano, que tiveram aulas integrativas com os professores de biologia Elisangela Bini Dorigon e Giovane Zmijevski Arus. Os professores organizaram ainda uma palestra com a Engenheira Bioenergética Caroline Venturin. Ambas as atividades foram realizadas de forma remota, ao vivo, considerando o período de pandemia do Covid-19.

A professora Elisangela explica que a ideia surgiu durante o planejamento conjunto da área de Ciências da Natureza: ”Decidimos trabalhar o tema pois percebemos que nossos alunos desconhecem culturalmente as diversas fontes de energias, principalmente as renováveis. Quando o Congresso abriu as inscrições, tivemos a ideia de criar um instrumento para coletar os dados dos nossos alunos antes e depois a execução do plano de aula”.

Para desenvolver a pesquisa, os professores aplicaram um questionário, composto por cinco questões, na primeira quinzena de setembro de 2020 e o reaplicaram na última semana do mesmo mês. O instrumento foi disponibilizado através de um link, onde os estudantes e familiares foram informados previamente dos objetivos da pesquisa.

Os resultados mostraram que, após o trabalho de sensibilização, os estudantes perceberam a possibilidade de produzir energia sem agredir o ambiente, bem como a diferença entre energia impactante e limpa. A conclusão demonstrou que o componente curricular de Ciências contribui na produção de conhecimento e inovação para formas mais sustentáveis de energia.

Na visão do professor Giovane Arus, mesmo com todas as dificuldades impostas pela pandemia durante o ensino remoto houve um resultado positivo: “Conseguimos comprovar a apropriação por parte de nossos estudantes do conhecimento sobre problemas ambientais e a questão energética”, pontua ele.

A professora Elisangela destaca que o projeto foi positivo tanto pelos resultados com os alunos quanto pelo aceite de apresentação no Congresso em nível nacional, único na categoria “Ensino Fundamental”: “Sabemos que, na maioria das vezes, há apenas participação do Ensino Superior nos congressos. Além disso, fomos convidados para publicar nosso trabalho na Revista internacional Modern Environmental Science and Engineering. Estamos felizes por sermos vistos e reconhecidos”, finaliza.