TwitterFacebookYoutubeInstagram

Imagem chamada Acts

A Secretaria de Estado da Educação (SED) abre nesta segunda-feira, 22, a segunda chamada do processo seletivo para contratação de professores Admitidos em Caráter Temporário (ACT) para a rede estadual.

Por meio desse processo, os candidatos podem alterar a carga horária ou escolher nova vaga. O prazo para inscrições inicia às 9h do dia 22 e vai até as 23h59 do dia 24/02. A classificação será processada no dia 25 e o resultado final será publicado dia 26/02.

Para participar, o candidato deverá fazer seu cadastro no site, criando sua conta gov.br. Em seguida deve acessar o sistema e realizar seu cadastro ou atualizar seus dados. Com o cadastro finalizado, o candidato pode definir suas intenções de vaga, conforme orientações apresentadas pelo sistema e de acordo com a legislação vigente.

Resultado da 1ª chamada

Nesta sexta-feira, 19, houve o resultado da primeira chamada, com listagem e e-mail enviado aos candidatos contemplados informando sobre a seleção. Houve grande procura de professores para as vagas, destinadas para atuação presencial nas escolas: foram cerca de 21 mil candidatos inscritos e 59 mil intenções de vaga. Cada candidato que foi contemplado com uma vaga recebeu um e-mail com as informações pertinentes.

O processo seletivo considera a classificação dos editais nº 1997/2018/SED, nº 1998/2018/SED, nº 1999/2018/SED, nº 2836/2018/SED, nº 2412/2019/SED, nº 2413/2019/SED.

Candidatos que se enquadram no grupo de risco

Em função da necessidade de substituir os servidores efetivos do grupo de risco para Covid-19 para ministrar as aulas presenciais na rede estadual, só puderam se candidatar às vagas presenciais candidatos que não se enquadravam no grupo de risco para Covid-19. Nos casos excepcionais, em que haja a necessidade de contratação para aulas remotas, não se aplicam as restrições ao grupo de risco.

A necessidade de substituição dos servidores para as aulas presenciais ocorre em virtude da declaração da Educação como atividade essencial (Lei nº 18.032/2020) e da regulamentação pelo Decreto nº 1.003/2020, que define que os servidores que se enquadram no grupo de risco devem ser mantidos em atividades remotas.